img projetos sociais

Projetos Sociais

O IPq vai à sua casa. Participe respondendo uma entrevista e ajude a melhorar a saúde de nossa cidade

O Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP vai realizar o mais abrangente estudo sobre saúde, bem-estar e estresse para avaliar a prevalência de transtornos mentais em população residente na região metropolitana de São Paulo. Trata-se do Projeto São Paulo Megacity que vai entrevistar 5.500 pessoas, em suas próprias residências, por equipe treinada e autorizada. 
A pesquisa mostrará as doenças físicas e mentais que mais afetam a qualidade de vida da população. A partir daí será possível identificar as melhores formas de prevenção, diagnóstico e tratamento.
Visite o site http://www.hcnet.usp.br/ipq/projetos/index.php   e saiba mais sobre o projeto.

PGRSS – Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Implantado com o objetivo de promover a seleção, o manuseio, a coleta e a destinação adequadas do resíduo hospitalar, atendendo ao disposto na Resolução CONAMA no 05/93 e à Portaria 102/SVMA-G/99, da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. O gerenciamento correto dos resíduos diminui o risco de contaminação dos usuários e funcionários, além de possibilitar a reciclagem de materiais e preservação do meio ambiente.

O PGRSS foi aprovado em 16/12/2003, pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente – Departamento de Controle de Qualidade Ambiental -, por meio da sua Divisão Técnica de Controle Ambiental.

Programa de Uso racional de energia

O programa consistiu na realização de campanha educativa para o uso racional de energia a partir de março de 2001. Foram apresentadas palestras de orientação para os profissionais e usuários dos serviços.

PURA – Programa de Uso Racional da Água

O PURA é um programa implantado no Complexo HC com o objetivo de controlar o consumo de água, diminuindo o impacto negativo no meio ambiente.

De 1996 a 2003 apresentou uma economia de 25%, o que representa uma redução média de consumo de 1,2 milhão de metros cúbicos. O resultado é expressivo, pois nesse período o HCFMUSP aumentou seu número de leitos em 29%.

Implantado em 1996 o processo de conservação da água no Hospital das Clínicas faz parte de um protocolo de cooperação técnica com a Sabesp, HCFMUSP, com a participação da Escola Politécnica e do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), da Universidade de São Paulo.

Projeto Rede Saci

Criação, em 2000, do Centro de Informação e Comunicação REDE SACI (Solidariedade, Apoio, Comunicação e Informação) – USP/REINTEGRA, (Rede Integrada de Informações sobre Deficiência). Objetiva informar e orientar a população, por meio de sistema informatizado, sobre os serviços de reabilitação, assistência à saúde, educação, promoção social, legislação, trabalho e outras áreas que possam beneficiar o processo de inclusão das pessoas portadoras de deficiência, bem como desenvolver equipamentos e adaptações para uso do portador de deficiência através do CIC eRehab – Laboratório.

Projeto Capacitação de Multiplicadores de Conhecimento na Área da Saúde e Reabilitação

Este projeto, iniciado em outubro de 1997, objetiva capacitar profissionais da saúde para a multiplicação de conhecimento na área da reabilitação, especialmente para ajudar cuidadores domiciliares ou informais a lidarem adequadamente com pessoas portadoras de deficiência ou doentes idosos e crônicos. Trata-se de cursos teórico-práticos de oito horas/aula, multidisciplinares.

O primeiro curso foi realizado em parceria com a Coordenadoria para Assuntos da Pessoa Portadora de Deficiência – (CORDE), Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, órgão do Ministério da Justiça. Este curso abrange todos os estados brasileiros, envolvendo representantes do Sistema Único de Saúde e até a presente data atingiu a 3.600 pessoas.

Projeto Capacitação de Agentes Comunitários de Saúde – Ação Sócio-Educativa

O objetivo deste projeto é contribuir para a capacitação de agentes comunitários do Sistema Único de Saúde (SUS) para atuarem junto ao Programa Saúde da Família (PSF), com abordagem adequada junto aos portadores de deficiência física. São cursos teóricos e práticos, multidisciplinares, ministrados pela equipe técnica, com oito horas de duração e com didática destinada a sensibilizar, orientar e informar o público em geral. Os cursos foram ministrados nas dependências da Divisão Médica de Reabilitação e também “in company”. O projeto apresenta alto impacto positivo no desenvolvimento social e da saúde, especificamente na formação de recursos humanos em saúde. Pode-se avaliar este projeto pelo número de pessoas participantes dos cursos, 350 e 520 participantes, respectivamente, nos anos de 2002 e 2003.

Projeto de Protetização na Estação Especial da Lapa – Centro de Convivência e Desenvolvimento Humano – Fundo Social de Solidariedade

Visando a redução do impacto social pela exclusão de pessoas amputadas por conseqüência de doenças e traumas, a Divisão de Medicina de Reabilitação, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, firmou protocolo de intenções para o desenvolvimento do Projeto Protetização a Pessoas Vítimas de Amputações de membros inferiores e superiores atendidas na Estação Especial da Lapa (EEL). A EEL, instituição que a partir de 2003, passou a ser administrada pela DMR do HCFMUSP, cumpre missão social de promover a inclusão dos amputados por meio da dispensação de equipamentos de vida independente e do processo de reabilitação para o uso adequado desses equipamentos.

Este projeto envolve a equipe multidisciplinar da EEL/DMR e pode ter seu impacto social medido pelo número estimado de pessoas atendidas, que em média é de 100 por mês.

Projeto Centro de Telemedicina, Tele-Educação e Telessaúde - Formação de Recursos Humanos e Ações Sócio-Educativas

A DMR deu início em 18 de outubro de 2002 aos cursos de Telefisiatria (multiprofissional), integrando o Projeto de Telemedicina e Telessaúde viabilizado pelas parcerias entre o CETEC – (Centro de Tele-Assistência e Tele-Educação por Tecnologia Integrada da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), Hospital das Clínicas da FMUSP, Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e Ministério da Saúde. Foram realizados seis cursos na área da reabilitação e fisiatria, atingindo público de 340 profissionais da saúde até dezembro de 2003.

Este sistema didático-pedagógico envolve alta tecnologia integrada na área de informática, tanto em equipamentos, quanto em qualificação de recursos humanos. Os equipamentos foram adquiridos e são monitorados por técnicos das Instituições parceiras.

Seu impacto para o desenvolvimento social pode ser medido pelo número de pessoas e áreas técnicas (alunos de faculdades de medicina, fisioterapia, terapia ocupacional, serviço social, psicologia) que participaram dos cursos ministrados por meio virtual, à distância. Esses cursos fornecem material didático apostilado e CDRom das aulas ministradas.

Projeto Cuidadores Domiciliares em Reabilitação

Desde 1999, este projeto busca auxiliar familiares de pessoas portadoras de deficiência a prestar cuidados por tempo prolongado no domicílio. São cursos para cuidadores de crianças com necessidades especiais, cuidadores de pacientes portadores de hemiplegia, lesão medular e hemofilia.

Projeto Banca-Móvel

Este projeto foi iniciado em 03.06.2002 em parceria com a DINAP/Abril Cultural (Distribuidor Nacional de Publicações São Paulo) e com jornaleiros das regiões próximas às Unidades. Trata-se de projeto de humanização no ambiente hospitalar e para captação de fundos destinados à AEDREHC – (Associação Esportiva de Esporte Adaptado do HCFMUSP), a qual são destinados 10% do faturamento.

A Banca Móvel conta com o trabalho de voluntárias que atuam de segunda à sexta-feira, das 9 às 16 horas, e que se encontram vinculadas a AEDREHC.

Projeto Biblioteca Viva em Hospitais

O Projeto Biblioteca Viva em Hospitais é um projeto do Ministério da Saúde, em parceria com a Fundação Abrinq e Citibank, que visa capacitar profissionais da Instituição para serem mediadores de leitura.

A ação do projeto tem como objetivo atingir a dinâmica institucional e colaborar com a reorganização das relações entre os funcionários, interferindo positivamente na comunicação interpessoal, contribuindo para uma mudança na qualidade do atendimento hospitalar.